Textos Críticos

Frestas

O universo poético da artista plástica Gersony Silva é um caminhar entre diversas instâncias e frestas. Suas obras se colocam entre o azul e o vermelho e entre o revelar e o esconder. Sua concepção visual se caracteriza em boa parte por voar entre aquilo que está velado e o que se explicita.

Nesse aspecto, existe uma coerência permanente, pois as construções da artista se dão geralmente num espaço de reentrâncias, em que aquilo que encanta não é o que está dito, mas sim o que é sugerido em cada proposta. Dessa maneira, cada trabalho instaura mistérios.

Não existe a facilidade de interpretação, mas a delícia da visualização prazerosa, pois as obras da artista apresentam intensidade ao proporcionar uma comunicação direta com quem as contempla, num processo de diálogo permanente, renovado a cada novo olhar, pois existe um permanente processo da artista de se rever e de se revisitar.

Nas frestas é possível se reencontrar ou se perder. É possível entrar e sair delas pelo vôo da imaginação e pelos passos de uma bailarina, ou seja, decolando da realidade cotidiana ou partindo dela com beleza rumo a novas possibilidades de conhecer o mundo. Em síntese, é isso que a arte de Gersony propicia: uma oportunidade de cada um se reencontrar.
OSCAR DAMBROSIO
Doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp.